Menu

                          Visite o Blog

                          Visite o Blog

Carla Prata usou o seu Instagram para dividir com os fãs a batalha contra uma doença autoimune, que ela descobriu em 2017, a miastenia gravis. A atriz conta que sofre paralisias por causa da doença e que uma vez não conseguia nem falar.

"É uma doença muito rara e grave. As pessoas não sabem muito desta doença. Ela se desenvolve de maneira diferente de indivíduo para indivíduo. Não tem regra. Ontem conheci uma pessoa que ficou em cadeira de rodas durante dois anos e sem mexer pernas e braços. As minhas paralisias foram raras e duraram quatro dias. Quando não consegui falar durou uma hora e pouco", relembra ela.

O laboratório Cellera Farma criou um blog especialmente sobre miastenia. Veja só: https://www.miastenia.com.br/miastenia-grave/o-que-e-miastenia-gravis/

 

Em diversos países, 2 de junho é considerado o dia da conscientização da Miastenia Gravis, uma doença neurológica de difícil diagnóstico que leva fraqueza e fadiga a mais de 1 milhão de pessoas, podendo surgir em qualquer idade ou sexo.

Espera-se haver cerca de 40 mil miastênicos no Brasil, segundo estimativas mundiais.

Recorte do Jornal Diário da Região, de São José do Rio Preto, com o título Miastenia Gravis

A ABRAMI apoio e colabora com a divulgação de miastenia sempre que possível.

Abaixo relacionamos alguns locais que promoverão eventos e encontros locais: 

A partir de junho, a cidade de Iporá em Goiás e região ganharão um importante reforço para atender à crescente demanda por serviços de saúde. Os médicos Rodrigo Vargas, neurologista, e Michelle Cerutti, endocrinologista, atenderão no Hospital Cristo Redentor.

Fraqueza muscular de braços e pernas, queda das pálpebras, visão dupla e dificuldade para falar, mastigar e engolir são os principais sintomas da miastenia gravis, uma rara doença autoimune que afeta a comunicação entre o sistema nervoso e os músculos – a junção neuromuscular. Em casos mais extremos, os músculos da respiração podem ser atingidos, resultando em insuficiência respiratória.

Clique aqui para ler a matéria completa publicada no: